!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod? n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n; n.push=n;n.loaded=!0;n.version='2.0';n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0; t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,'script','https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js'); fbq('init', '1794525367500435'); fbq('track', 'PageView');
Compartilhe!

Alimentação nos primeiros anos de vida

por

alimentação para bebês
O Ministério da Saúde, juntamente com a Organização Mundial da Saúde, preconiza 10 passos para uma alimentação saudável da criança até os 2 anos. Veja a seguir:
  1. Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chá ou qualquer outro alimento. Lembre-se: o leite materno é o melhor alimento para o bebê! Ele pode protegê-lo contra infecções, doenças e desnutrição.
  2. A partir dos 6 meses, oferecer outros alimentos de forma lenta e gradual, mantendo o leite materno até os dois anos (ele vai continuar alimentando a criança e protegendo-a). A partir dos 6 meses, o organismo do bebê já está preparado para receber alimentos complementares.
  3. Os alimentos complementares que devem ser oferecidos à criança após os 6 meses de idade são: cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes. Se a criança estiver mamando no peito, 3 refeições/dia com esses alimentos complementares serão suficientes.
  4. É importante ressaltar que a alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando sempre a vontade da criança. As mães devem desenvolver a sensibilidade de entender se o desconforto do bebê é por fome ou por outros motivos, para não insistir em oferecer alimentos quando este não está com fome.
  5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher. Ou seja, começar com papinhas e purês, e evoluir gradativamente até chegar à consistência da alimentação da família (mais ou menos aos 8 meses, desde que os alimentos sejam amassados, picados e desfiados sempre que necessário).
  6. Oferecer à criança diferentes alimentos por dia. Uma alimentação saudável e variada é uma alimentação colorida! Assim, você estará garantindo a quantidade de ferro e vitaminas que a criança precisa.
  7. Estimular o consumo diário de frutas, legumes e verduras nas refeições. Elas devem acostumar a comer esses alimentos desde cedo, pois eles são fontes de vitaminas, cálcio, ferro e fibras.
  8. Evitar açúcar, café, enlatados, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas. E usar o sal com bastante moderação. O açúcar somente deve ser utilizado na alimentação da criança após 1 ano de idade.
  9. Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos. Os mesmos também devem ser armazenados corretamente para evitar a contaminação dos alimentos e a transmissão de doenças. Opte sempre por alimentos frescos.
  10. Estimular a criança doente a se alimentar, oferecendo os alimentos que ela mais gosta, respeitando sua aceitação. Crianças com pouco apetite devem receber um volume menor de alimentos por refeição e maior oferta de refeições/dia.
Confira também este artigo sobre a Alimentação das Futuras Mamães.
Fonte: Guia Alimentar par Crianças Menores de Dois Anos – Ministério da Saúde.
Texto extraído de: Blog Superfestval.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *