Compartilhe!

Intolerância aos carboidratos complexos vegetais. Qual é a solução?

por

Intolerância aos carboidratos complexos vegetais

Além da intolerância ao glúten e à lactose que nós já conhecemos, existe um grupo de pessoas que sofre de outro mal: a dificuldade em digerir os alimentos conhecidos como carboidratos complexos vegetais, que são substâncias presentes principalmente em vegetais, mas também em cereais e grãos como aveia, cevada, milho, centeio, arroz, feijão e raízes como batatas e mandiocas.

Para essas pessoas, existe um produtinho milagroso: o Digeliv. Ele é uma enzima Alfa Galactosidase que auxilia na digestão de amidos/rafinose impedindo a fermentação bacteriana e evitando o inchaço abdominal, flatulência e o desconforto a pessoas intolerantes aos carboidratos complexos vegetais.

Cada embalagem do produto vem com 30 sachês de 2 gramas cada e para 300 gramas de carboidrato complexo vegetal que a pessoa vai ingerir, é recomendado utilizar um sachê de Digeliv. A conta parece difícil, mas vamos dar alguns exemplos para facilitar: para duas conchas de feijão ou três colheres de arroz, deve-se usar dois sachês de Digeliv; para uma porção de couve-flor, repolho, couve ou um cacho de uva, a medida será de um sachê. Para um brócolis, uma banana, uma mandioca, uma maçã ou uma batata, apenas meio sachê já será suficiente. A mesma medida vale para uma porção de milho, soja e grão-de-bico.

O Digeliv possibilita que os intolerantes aos carboidratos complexos vegetais possam voltar a usufruir dos inúmeros benefícios que este grupo de alimentos traz à saúde, como a prevenção das seguintes doenças: hipertensão, obstipação intestinal, doença diverticular dos cólons, diverticulite, câncer do intestino, obesidade e doença coronariana.

Saiba mais acessando o site www.digeliv.com.br.

3 respostas para "Intolerância aos carboidratos complexos vegetais. Qual é a solução?"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *