!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod? n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n; n.push=n;n.loaded=!0;n.version='2.0';n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0; t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,'script','https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js'); fbq('init', '1794525367500435'); fbq('track', 'PageView');
Compartilhe!

Transmissão da Doença Celíaca

por

Por LORENA PÉREZ

Tradução/Adaptação: Raquel Benati

A doença celíaca é uma doença autoimune desencadeada pela ingestão de glúten, que requer uma predisposição genética para se desenvolver. Assim, uma família pode ter vários celíacos. Mas isso não significa nem que seja uma doença congênita nem que seja uma doença hereditária. Vamos explicar como ocorre a transmissão da doença celíaca.

Embora nos últimos anos tenha havido uma série de avanços no estudo da doença celíaca, métodos de diagnóstico, testes e das doenças relacionadas, a ciência ainda não encontrou a explicação exata sobre o que dispara o gatilho da doença celíaca e como acontece a transmissão entre membros da mesma família.

O que sabemos é que ela não é uma doença hereditária ou congénita. Não é congênita porque você não nasceu com ela, mas pode desenvolvê-la em qualquer momento da vida.

Também não é hereditária. Ou seja, a doença celíaca não é herdada de pai para filho, o que se herdada é o risco de desenvolvê-la. Ou seja, podemos herdar genes que estão associados com a doença celíaca e podem levar-nos a desenvolvê-la em algum momento da vida. Em particular, são os haplotipos HLA-DQ2 e HLA-DQ8, que estão diretamente associados à doença celíaca, embora ter estes genes não signifique  que acontecerá o desenvolvimento da doença, mas pode servir como um alerta,  segundo estudo do “New England Journal of Medicine” , para os pais que têm crianças com esta genética e assim serem capazes de fazer um diagnóstico na fase inicial da doença, antes que tenha havido graves danos ao intestino.

celicidad_transmissaoO diagnóstico precoce seria uma excelente notícia que, infelizmente, ainda está longe de ser alcançado de forma generalizada, de tão complicado que é diagnosticar a doença celíaca por causa de seu quadro sintomátológico difuso.

Como explicado no estudo publicado na NEJOM, mais de 1/4 das crianças com duas cópias (alfa e beta) de uma das variantes de alto risco (haplótipos HLA-DR3-DQ2 ) desenvolvem sintomas iniciais da doença ao redor de 5 anos de idade ou mais cedo. Ter esta variante dupla faz subir para 5 vezes o risco de desenvolver a doença em comparação com pessoas que têm outros haplótipos, como DR4-DQ8. Assim, poderíamos estar olhando para a evidência de como ocorre a transmissão da doença celíaca, independente que se desenvolva ou não.

Uma vez comprovada, portanto, a genética e que aparecem estes genes no DNA de uma criança, se pode implementar como afirmam no estudo, “um acompanhamento mais próximo para detectar a doença mais cedo, já que essas crianças seriam mais propensas a serem celíacas”.

Os especialistas dizem que a genética contribui com cerca de 75% para o desenvolvimento da doença celíaca, e  25% dependeria de fatores ambientais ainda a serem determinados. Fala-se do aleitamento materno, dieta, do momento em que se introduz os cereais com glúten na dieta, desenvolvimento de algum tipo de doença na infância, porém não são conhecidos com certeza quais os fatores ambientais que podem determinar o desenvolvimento da doença celíaca.

Quanto às chances de ter famíliares celíacos estima-se que entre 10% e 30% dos parentes de um celíaco também tem a doença celíaca, por isso os especialistas recomendam sempre  pesquisa dos membros da família porque muitas vezes não apresentam sintomas.

Texto Original