Compartilhe!

A história de Márcia Tereza Pereira

por

Márcia e seu filho Rafael, na foto com 11 anos, que é intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite

Personagem: Márcia Tereza Pereira
Cidade: São Paulo

A história

Lidar com a alergia ou a intolerância à lactose ou ao glúten já não é uma tarefa fácil, mas pode se tornar ainda mais difícil quando esta situação não envolve somente a nós, mas sim alguém da nossa família. A Márcia Tereza Pereira contou pra gente a história do seu filho Rafael, que hoje está com 14 anos, mas desde quando tinha três aninhos  preocupava os pais com diversos sintomas difíceis de entender.  “Ele era um bebê normal, tomava leite sem problemas, era uma criança feliz e saudável. Com três anos começou a ficar ressecado, com dificuldades para evacuar e reclamava de dor na barriga logo depois de comer. Começou também a ter sangramento pelo nariz sempre durante a noite. Algum tempo depois vieram as crises de renite e sinusite. O pediatra nunca cogitou a possibilidade de ser alergia alimentar e eu confiava nele e achava que ele sabia o que estava fazendo”, recorda a mãe.

O tempo foi passando e aos poucos as coisas pareciam estar voltando ao normal. “Com seis anos de idade, o intestino do Rafa funcionava bem melhor, o nariz parou de sangrar, mas as crises de sinusite continuavam cada vez piores! E aí apareceram os sintomas mais graves: ele começou a ter fortes crises de vômitos e diarreia, e o mais curioso destas crises é que no começo elas só aconteciam de seis em seis meses e sempre de madrugada, entre três e seis horas da manhã. Pelo fato de ter um intervalo muito grande entre uma crise e outra, os médicos sempre tratavam como uma virose ou intoxicação alimentar, ainda mais porque os resultados dos exames de sangue sempre eram normais”, relata.

Depois de algum tempo, as crises começaram a acontecer com mais frequência, mas sempre no mesmo horário. “Foi aí que eu decidi marcar uma consulta com uma gastro infantil. Ela pediu vários exames e disse que parecia ser intolerância à lactose, mas o resultado do exame  mostrou uma intolerância bem baixa, que não justificava as fortes crises que meu filho tinha. Mesmo assim, a médica pediu para que eu excluísse da alimentação dele todos os derivados do leite e passasse a comprar só o leite sem lactose”, conta.

Mesmo aderindo a uma dieta mais restritiva, as crises do Rafael não cessaram, o que aumentou a preocupação dos pais. “Eu estava desesperada, não aguentava mais ver o meu filho tendo aquelas crises horríveis. Queria muito que ele melhorasse! Até que eu pensei ‘e se não for intolerância, mas sim alergia à lactose?’. A gastro disse que não poderia ser alergia porque alergia só aparece em bebês. Não acreditei nela e marquei uma consulta com um especialista em alergia. Contei tudo sobre os sintomas, ele examinou o meu filho e disse ‘o seu filho é alérgico à proteína do leite de vaca, faça a exclusão total de leite, derivados e traços de leite e tome muito cuidado para ele nunca ingerir nada com leite’. Fizemos todos os exames e começamos o tratamento. Tiramos tudo o que tinha leite da dieta do meu filho e ele nunca mais teve os sintomas. Foi um alívio finalmente descobrir o que ele tinha e vê-lo livre daqueles sintomas horríveis”, lembra a mãe.

A descoberta da alergia à proteína do leite de vaca só aconteceu quando o Rafael tinha nove anos. Hoje ele já completou 14 anos e recentemente voltou a ter diarreia, ânsia de vômito e muitos gases no estômago e no intestino. “Desta vez foi fácil descobrir o que estava causando tudo isso: a alergia ao glúten. Excluímos também o glúten da dieta e ele já melhorou”, afirma Márcia.

Você também é mãe e tem um filho intolerante à lactose ou ao glúten? Envie sua história pra gente! Seu depoimento pode ajudar muitas pessoas que vivenciam situações parecidas com a sua.

*O ‘Sua História’ é um espaço destinado para você internauta compartilhar sua experiência no universo sem glúten e sem lactose. Como foi a descoberta? Quais foram os primeiros sintomas? Como é a sua rotina? Gosta de testar receitas SGSL? O que mudou depois do diagnóstico? Para participar deste quadro envie um e-mail para: [email protected] que faremos o contato. Será um prazer dividir a sua história com nossos leitores! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *